Ouroboros.

Passo a maior parte do tempo esperando ansiosamente pelo fim, assim como espero um cigarro terminar para que possa dar atenção à outra coisa – que me levará ao próximo cigarro. Uma ânsia do que está por vir, para poder, enfim, sentir o leve perfume quase irreconhecível da nostalgia. Não existe solidão e seu antônimo desconhecido: são solidões diferentes. 

Não sei mais por onde comecei. É o tipo de coisa que se começa pelo meio.

Uma resposta

  1. Eu nunca espero o fim, eu faço com que o fim chegue logo, para eu poder buscar outra coisa, que vai me levar a forçar outro fim, ad infinitum…
    No satisfaction… e depois sentir saudades, achando sempre que eu poderia ter experimentado mais daquilo…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: