Robôs mortos.

Ando em meio à robôs mortos. Deles nada se extrai, nenhum sentimento humano (exceto os já definidos pelos programadores). Vivo através de uma legião de corpos, de comportamentos automáticos. Robôs que nada sentem e que de nada se lembram. São “humanos esquecidos”, enrijecidos, enganados quanto à sua condição. Pensam que vivem, que amam e que pensam. Se perderam através dos tempos, se perderam através dos textos e das imagens.

Vivo em meio à robôs que não se reconhecem, que compram seus sentimentos, suas falsas pílulas de felicidade, e, acreditam assim, ser a expressão mais palpável do divino. Esses robôs preenchem a vida de friza, de sorrisos amarelos e idéias de plástico. Não se reconhecem.

Estão todos mortos, pois não percebem. Inventam outras vidas robóticas, metáforas de um ser humano distante e inequívoco, porém invisível. Almejam, curiosamente, a ser um objeto da sua própria casa: uma mesa, um sofá ou qualquer outro que tenha a eterna companhia da televisão.

There are no comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: