Quadrados Mágicos

Os quadrados mágicos são diagramas conhecidos desde a antiguidade. O registro mais antigo remonta à China de 2207 a.C., onde o rei Da Yu encontrou nas margens do rio Lo um casco de tartaruga com desenhos inscritos, uma estrutura puramente imagética que, mais tarde, seria substituída por algarismos.

 

    O quadrado mágico, do jeito que conhecemos, é um conjunto de números distribuídos simetricamente em linhas e colunas, de forma que a soma dos algarismos seja sempre a mesma, para todas as direções. O mais simples é o quadrado mágico que corresponde aos desenhos encontrados no casco da tartaruga e, posteriormente, chamado de quadrado mágico de 3 x 3 por Pitágoras:

 

4    9    2 

3    5    7

8    1    6

Neste exemplo, percebemos que tanto as somas das linhas ou das colunas (bem como as diagonais) resultam em 15, considerado a constante do quadrado. A constante é o número que não é visível à primeira vista, mas que designa a posição de cada número dentro da matriz, agindo como uma espécie de “fio invisível” que amarra um algarismo no outro.

Existem diferentes métodos de resolução dos quadrados mágicos e eles remontam a idéia de algoritmos, uma sequência de tarefas que realizam determinada função. Por isso o estudo dos quadrados mágicos é comum para os que estudam linguagens de programação, além de ter ressonância no cubo mágico de Rubik, pois ambos sugerem um pensamento matemático, lógico e racional, demonstrando novamente que a linguagem precede o meio pelo qual se propaga.

A magia dos quadrados mágicos consiste em ter, ao mesmo tempo, uma análise qualitativa e quantitativa dos algarismos: além de possuírem um valor representativo de quantidade, relacionado diretamente ao número, o quadrado se refere a distribuição dos números dentro de um espaço, uma idéia organizacional, que, à primeira vista, assemelha-se ao completo caos (já que a lógica de construção se mantém oculta numa análise superficial).

Voltando aos desenhos econtrados por Da Yu no casco de tartaruga, notamos que a organização não era, aparentemente, relacionada com números, mas sim com elementos distribuídos no espaço. Alguns diagramas encontrados possuem letras, ao invés de números, como o caso do quadrado SATOR, de origem greco-latina:

 

S    A    T    O    R 

A    R    E    P    O

T    E    N    E    T

O    P    E    R    A

R    O    T    A    S

 

O exato significado do quadrado SATOR é desconhecido e várias interpretações foram feitas ao longo dos tempos. A própria estrutura do quadrado permite diversas interpretações e ordens de leitura, uma espécie de poesia concreta que precede em alguns séculos o momento limite da arte, protagonizado pelos poetas concretos e neo-concretos. 

Os elementos do quadrado se encontram firmemente amarrados, como se não pudessem estar em outra posição. Demonstra uma forte integração entre parte e todo, e por isso era considerado talismã por muitas culturas, sendo utilizados, por exemplo, na medicina sufi como forma de alcançar a cura. Segundo Sylvia Leite,

(…) essas palavras produziriam uma vibração cósmica capaz de atrair, para o doente, a harmonia divina. (…) a expectativa de que o contato com a estrutura de um determinado arranjo possa, por simpatia, influenciar e, consequentemente, organizar o órgão ou tecido doente, propiciando a sua recuperação”. (LEITE, Sylvia. O simbolismo dos padrões geométricos da arte islâmica. pp. 43)

Ainda segundo a autora, essa crença era baseada na idéia de que uma doença seria o resultado de uma desorganização à nível celular.

 

Outro interessante aspecto do quadrado mágico é que, qualquer que seja a ordem ou a constante, contém algarismos que sugerem outros externos, como uma réplica espelhada de si mesmo. Vejamos por exemplo o quadrado de 3 x 3, espelhado em torno de si mesmo:

Os quadrados preenchidos levemente com tom acinzentado demonstram que outros quadrados passam por dentro do quadrado central. Ele não sugere apenas uma organização dentro de si mesmo, mas uma organização que é multiplicidada em torno de si, demonstrando que os algarismos também se relacionam com outros, aparentemente invisíveis, assim como a constante do quadrado.

Quando analisamos os quadrados mágicos através dessa perspectiva, percebemos que podemos considerá-los tanto como parte ou como todo, dependendo apenas da escala em que o observamos. Novamente, se fizermos uma observação ainda superficial, sem considerar a soma dos algarismos, podemos ver nessa nova escala uma certa ordem que não aparecia no quadrado isolado.

Faz-se necessário nesse momento compararmos a idéia subjetiva dos quadrados mágicos com o que traduzem os fractais. Essas formas de terrível beleza possuem simetria em escala, ou seja, por mais que nos aproximamos ou nos afastamos da imagem, temos a impressão de sempre estar no mesmo lugar, pois as estruturas são replicadas infinitamente para dentro e para fora de si mesmas.

Assim acontece com os quadrados mágicos, que ao serem replicados num plano bidimensional, demonstram uma interconexão entre os elementos, uma simetria assimétrica que transcende o que é observado à primeira vista. Esse fenômeno acontece na natureza, quando observamos estruturas em diferentes escalas: a distribuição das árvores em uma floresta, quando nos encontramos dentro dela, pode nos parecer caótica e desordenada. No entanto, ao sobrevoar a floresta com um helicóptero, percebemos que as árvores seguem uma certa ordem, e que, como elementos, estão posicionadas exatamente no lugar onde deveriam estar, assim como os algarismos contidos dentro dos quadrados mágicos.

Essa organização natural não é feita racionalmente, mas segue o fluxo dos fios invisíveis que podem ser descritos cientificamente, se tivermos controle sobre as inúmeras variáveis que determinam essa organização. Em contrapartida, a própria organização é uma variável dentro do processo, ao passo que também determina as variáveis que são por ela influenciadas. Podemos exemplificar isso utilizando a mesma idéia da distribuição das árvores em uma floresta:

Um pássaro é uma variável, ao passo que transporta sementes que são largadas em diferentes lugares dentro da floresta. Outros agentes polinizadores como insetos, o vento e a chuva também influenciam na organização e distribuição das árvores. Ao mesmo tempo, esses agentes são influenciados por estas: a árvore se torna abrigo para pássaros e insetos, além de ser uma barreira natural para o fluxo do vento e das chuvas. Todas essas variáveis ainda conversam e são responsáveis pelo clima da região. Por isso, qualquer alteração em uma das variáveis se torna uma bola de neve. É essa a idéia do efeito borboleta.

Assim como nos quadrados mágicos, a imagem que temos ao sobrevoar uma floresta é apenas um resultado do que realmente existe por trás dessa configuração. Podemos até enxergá-la como um todo, mas ainda, em uma escala ainda mais distante, veremos que é uma variável juntamente com outras vegetações espalhadas pelo planeta.

There are no comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: